.

O que vivemos é um tesouro que nunca se apaga da memória, mas é o que não construímos que nos entristece e mata.


Fraco Vagabundo


Passam dias e dias, o tempo não pára e a saudade aumenta. (...)
A tua ausência faz-me enfraquecer e torna-me vulnerável ao violento mundo que me rodeia. Sem ti, sou um fraco vagabundo, perdido, gozado e maltratado pelo mau carácter que passeia a toda a hora nas ruas. Não tenho força para viver, não tenho poder sobre mim.

O que lá vai , lá vai .

Já fazes parte de mim


Não éramos nada um ao outro, nunca nos tínhamos visto, nunca tínhamos falado, nunca tínhamos estado juntos. Depois de um primeiro contacto, aos poucos e poucos fomos ficando mais próximos. A amizade começava a florir no meio de tanta alegria e da boa disposição vivida. Uma relação de confiança fomos estabelecendo com o passar do tempo. Não havia segredos, partilhávamos os medos e as experiências vividas. Já há muito que tínhamos deixado a vergonha de lado para podermos deixar a amizade crescer. Aos poucos e poucos 'Os Melhores Amigos' nos fomos tornando. Juntos vivemos muitas aventuras, ultrapassamos medos e travámos guerras que nem sempre saímos a ganhar. E sempre, sempre, sempre mantínhamos um sorriso nos lábios para termos a capacidade de acalmar o outro. Quando um está mal, o outro percebe, sem que seja sequer necessário pronunciar uma única palavra. Estamos sempre dispostos a ouvir os desabafos um do outro. E depois há aqueles abraços que parecem infinitos em que deixamos as lágrimas escorrer, o que fazia com que nos agarrássemos ainda mais. Eram aqueles abraços que muitas vezes serviam de pilar para não nos deixar cair.
Tantos, tantos, tantos são os momentos que apenas a nós nos pertencem e que eu não quero que acabem. Eu já não consigo ver a minha vida sem ti Maninha.

Tu já fazes parte de mim Minha Irmã!

Apocalypse


Encostado a um canto eu observo o mundo e vejo. Vejo no que tudo se transforma. Cada vez mais o egoísmo das pessoas se acentua. Não olham a meios para atingir um fim. Calcam pessoas, derrubam seres humanos, eliminam grandes mentes, matam grandes seres. Tudo para conseguirem chegar ainda mais alto e sentem prazer em fazê-lo. Consideram normal uma atitude de desprezo que devia ser punida com uma das maiores sentenças. Os seres humanos criam cada vez mais, autênticos monstros, máquinas destruidoras, sem olhos, sentimentos e despromovidos de tudo o que os faz ter a noção do real. Não sentem, não criam, não choram. Sonham de noite e de dia, têm grandes sonhos de coisas irrealisáveis, de grandes momentos de glória que nem ao longe se avistam. Em escassos anos, conseguem ter o prazer de destruir tudo o que tantas gerações construiram. E mais uma vez não sentem, não sentem e não sentem. Para estas coisas que se multiplicam a olhos vistos, o poder é o maior troféu, é a maior vitória.
Eu gostava de ter força suficiente para mudar o rumo que o planeta leva, mas não tenho. Eu gostava de conseguir fazer as pessoas verem o enorme e incalculável valor, que o sitio onde elas habitam diariamente, e que destroem a cada segundo, sempre com um sorriso na boca, tem. Mas também não tenho forças para tal.
O ser humano transforma-se, a uma velocidade impressionante num ser que eu gostava de não ter conhecido.
Gostava que tudo isto não passasse de um sonho, mas infelizmente não. As lágrimas que de mim correm nada ajudam a mudar a atitude das pessoas. Eu não faço milagres, é uma realidade. Se cada um não pensa em si, não vou eu pensar em todos.

Eu Sou Só Um Guerreiro !

Éramos Únicos


Vem dormir comigo esta noite. Vem-me ajudar a adormecer (...) vem participar nos meus sonhos e leva-me para aquele mundo só nossos.
Encosta-te a mim, beija-me daquela maneira que só tu sabes fazer. Aquece o meu corpo, faz-me ferver, deixa-me louco.
Os nossos corpos, suados, encostados um ao outro, tornam-se em apenas um ser. Um ser especial, único, diferente e marcante.
Uma noite ardente repleta de sentimentos, onde além do prazer também o amor era sentido e lavado ao rubro. As respirações mantinham-se ofegantes, os corações aceleravam a um ritmo alucinante, os músculos tremiam (...)
E no fim, cansados de tanto esforço, e depois de tanta força e prazer, acabamos por adormecer bem agarrados um ao outro.
Naquele momento, não havia mais ninguém, éramos únicos. Estávamos sozinhos, rodeados do vazio e perdidos no meio de absolutamente nada.

Naquele momento éramos só tu e eu*

Sonho


Uma guerra travada por uma frase vencida. Um sonho passado, ausente e perdido.
Luto todos os dias por um presente seguro, composto por fragmentos de sentimentos diversos. Tento juntar o útil ao agradável e fazer disso uma vida composta, em que me sinto realizado mas inacabado. Penso precisar de algo que me complete, mas até ver ainda nada preencheu esse espaço em mim. Sei que ao longo do meu trilho de vida, muitos já perdi e muitas lágrimas derramei por eles. Mas na nossa viagem não podemos levar connosco todos os que na nossa vida participaram daí surgirem as nossas escolhas. Ainda tenho uma vida inteira à frente dos olhos, uma vida que temo viver. Esse medo preenche os meus recantos e faz-me agarra-la ainda com mais força. Sonho poder jogar com altas cartas, lançar grandes triunfos e celebrar valiosas vitórias. Vitórias essas que me trarão muito poder e grandes conquistas. Quero moldar-me aos olhos de grandes pessoas, com fortes personalidades, poderosas e permanentemente situadas em altos níveis.
Sonho viver com quem na minha realidade actual me preenche, me faz sorrir e vencer as maiores batalhas. Sonho poder celebrar grandes cargos e sucessos. Sonho poder relembrar os que para trás, na minha viagem, ficaram.

Um sonho presente (...)

O que não me leva a morte só me torna mais forte !

Parabéns Princesa



Há quem diga que existem aquelas maravilhosas relações, sem discussões e onde tudo não passa de uma grande alegria inesgotável e muito amor para dar. Sinceramente não sei, para mim tudo isso não passa de um grande conto de fadas. Em todas as relações existem os seus altos e baixos. Nem tudo pode ser sempre tão perfeito como deveria, mas também se o fosse qual era a piada que teria? Se tudo fosse fácil não haveria garra para lutar por quem realmente amamos. Digamos que apenas nos habituávamos a ter aquela pessoa ao nosso lado e desfrutávamos dos momentos que essa relação nos poderia proporcionar. Mas nada na vida é fácil, tudo exige empenho, dedicação, carinho, amor e entrega pela parte de ambos. Os contos de fadas apenas existem nos livros. Tudo isso não passa de fantasia para encantar os mais pequenos e puxar pela sua imaginação, faze-los voar por entre as nuvens dos sonhos, deslizar pelos escorregas da imaginação e correr por entre os obstáculos da perfeição.
Na nossa relação, desfrutámos de tudo o que nos é permitido viver e nada mais pedimos. Contentámo-nos com o que temos e agradecemos poder, neste momento, estar juntos.
Sabes bem que és a maior dentro de mim. Fizeste de tudo para me conseguir ter, lutaste por mim, por manter o nosso amor sempre de pé, forte e poderoso o suficiente para abater qualquer coisa que a ela se oponha. Criaste dentro de mim um sentimento que já pensava conhecer, mas que na realidade me era totalmente desconhecido. Fizeste com que percorresse cada recanto, que descobrisse cada peça nova, que sentisse cada sensação de uma maneira original, que vivesse cada momento de uma maneira diferente.
Tornaste-me em alguém, podemos dizer, melhor, em que alguém mais confiante. Moldaste-me a teu favor, de maneira a que assim, conseguisses desfrutar do melhor de mim e do que eu te poderia dar.
A cada dia que passa, conheço mais um traço teu, e penso que por mais tempo que passe ao teu lado nunca é suficiente para te conhecer na totalidade. Descubro novas facetas, novas maneiras de agir perante diferentes situações, em suma, vou-te descobrindo aos poucos e poucos. Tenho medo que com esse teu mundo escondido, me possas vir surpreender negativamente, que me faças perder as certezas que, aos poucos e poucos, vou tentando ganhar.
Nós somos fortes e sei que juntos tentaremos saltar todos os obstáculos que se opuserem à nossa relação.
Muitos parabéns minha princesa, espero que sejas muito feliz ao longo de toda a tua vida. Eu, se possível, quero estar aqui para te acompanhar em todos os passos que dês e ajudar-te a subir a escadaria do sucesso.

Obrigado por tudo bebé :D
Um sincero Amo-te (‘:

És tudo !


Se um dia o vento te levar sem pedir permissão, tu grita, grita desesperadamente até que eu o ouça. Eu correrei mundos, voarei céus, irei ao meu extremo para que tudo se torne o tão perfeito quanto o que foi. Não desistirei de ti. Não depois do que vivemos, depois do que passamos e depois da relação que criámos. Era tudo tão perfeito! Lembras-te? Consegues ainda recordar o quanto belo, único e incomparável era o que existiu entre nós? Mas nada desaparece subitamente, tudo se vai desfazendo com o passar do tempo, e só continuará se nós o permitirmos. Ainda não chegou a tal ponto e eu já o temo. Temo esse momento, tal como temo a morte. És mais do que tudo em mim, és mais do que muitos já quiseram ser e não conseguiram. Há coisas que não consigo explicar e esta é uma delas. É tudo tão perfeito, tudo tão diferente, tudo tão bom! És única na minha vida!

Os Guerreiros da Estrada

É o fim, todo o mundo está atacado e só nós conseguimos escapar. A epidemia persegue-nos a toda a velocidade, sinto-lhe o cheiro, sinto a morte. Ela acelera e tenta ultrapassar-nos, tenta devorar-nos e fazer de nós mais cadáveres para juntar à sua colecção, tal como fez com o resto do mundo. Seguimos viagem com o acelerador ao fundo. Olhamos em todas as direcções e não vemos uma única alma penada, nada, ninguém. O desespero começa a apoderar-se de nós e o sentimento de medo absorve-nos. Frente a todas estas realidades criamos uma regra: Quem está afectado, está morto e é deixado para trás. Juramos levar esta regra até ao fim e de maneira nenhuma quebra-la. Pois bem, chegou a altura em que temos a decisão das nossas vidas nas mãos. Um de nós está infectado e falta-nos a coragem de lhe dizer que vamos seguir o caminho sem ela, mas chegou a hora, e a regra tem de ser cumprida. Paramos o carro e entre o medo e o desespero interior ordenámos-lhe que saísse. As lágrimas escorriam-lhe pela cara, mas perante esta situação tornamos os nossos corações nas mais frias pedras e ignoramos tal facto. Ela não quer sair, recusa-se a faze-lo. Eu saiu, abro-lhe a porta e arranco-a de lá de dentro. Com ela, deixei também o meu coração. De seguida, entro novamente no carro para seguir viagem. Depois dela fui eu quem foi infectado. Seguimos tentando esquecer este facto, mas quando paramos para dormir, o meu irmão e a outra acompanhante tentam fugir e deixar-me para trás. Eu tinha previamente pensado que esta situação poderia acontecer e certifiquei-me de que as chaves do carro ficavam comigo. Eles começam a correr, pensando que iam conseguir escapar. Quando já estão dentro do carro, apercebem-se de que sem mim não podem ir porque sou eu quem possui o elemento principal para pôr o carro a trabalhar. A muito custo, eu ponho-me de pé e dirijo-me para eles. O pânico habitava dentro deles. Finalmente o meu irmão tomo a decisão que eu também já tinha estado encarregue de tomar. Pega na arma, sai do carro e a muito esforço dispara dois tiros sobre mim. Morto, caiu no chão. Ele não tinha outra hipótese. Está é uma luta em que só os que não foram infectados chegam ao fim. Eles não podiam correr o risco de eu lhes transmitisse a epidemia, e decidiram seguir sem mim. Para eles, a viagem continuou até chegarem ao destino: a Praia das Tartarugas. Uma praia deserta onde eu e o meu irmão tinhamos passado a infância.

Agora só lhes restava esperar que chegasse alguém, também saudável, para os salvar. Com muitas pedras no caminho, conseguiram finalmente alcançar o fim do trajecto que tinham estabelecido percorrer, deixando os que mais amavam para trás, mas sem qualquer culpa ou escolha.

Uma luta sem limites


Eu conduzo e espero por uma tempestade que nos leve a todos. Mas não chega.
É um dia lindo. E não devia ser um dia lindo. Eu espero, que nada aconteça comigo. E pela primeira vez, eu sinto como se estivesse sozinho no mundo.
Chegamos. Dois estranhos com mais nada a dizer um ao outro.
(...)
O hotel, a praia, tudo continua exactamente igual. Mas, agora são só lugares. Eu não sei o que vai acontecer agora, não sei quanto tempo viverei, mas sei que estarei sozinho.

A Epidemia (...)

Às vezes, vale a pena


Porque um olhar marca por muito, e um sorriso por ainda mais. Porque o brilhar dos teus olhos, quando dirigido a mim, já diz mais do que tudo. Eu capto a essência que transmites, recolho a tua saliva, analiso o teu corpo. Levo-te ao extremo e testo-te. Nem sempre correspondes, mas luto para que na maior partes das vezes o consigas fazer. Ás vezes dás menos de ti do que o que eu realmente espero, ou talvez sou eu que me entrego demais, não sei. Neste momento, tenho a percepção, de que realmente, tenta,r às vezes, vale a pena.

Passo a passo deixo de ser um soldado raso (...)

O fechar definitivo de uma carta


Já a tinha lido vezes sem conta. Conhecia como ninguém a tua letra, cada traço, cada curva, cada linha tremida pelo medo. Sempre tiveste um enorme receio de não ser correspondida, e por isso te escondes por detrás das fantásticas palavras que escreves, mas que ficam guardadas para a eternidade, no meio de uma imensidade de pó, na segunda gaveta da tua secretária. Já lá guardaste tantas, tantas e tantas cartas. Cartas escritas com tanto sentimento, com tanta perfeição, com tanto entusiasmo, mas (...) com tanto medo! Não te podes ficar sempre pelo meio, tens de lutar contra os teus medos, contra o que se opõe a ti e levar as acções até ao fim.
Depois de tanto tempo a reler as palavras que me escrevias, depois de tanto tempo a chorar sobre as folhas carregadas de palavras que me enviavas eu decidi que ia acabar com aquela forma de viver, com aquele tormento. Acabava por não ser saudável para mim, viver um passado no presente. Transformei o que até agora tinha sido passado em algo ainda mais antigo e daí não mais sairia. Decidi que ia começar uma nova vida, não rodeado de cartas, palavras e recordações, mas um vida em que tenho um objectivo real, em que sei o que quero, e em que luto até ao fim. Chega de viver rodeado de tristeza e saudade, chega de viver perdido nas lembranças, chega de passar de novo o que anteriormente já tinha passado. Eu não quero isto para mim. Eu quero ser mais do que sempre fui, quero tornar-me em alguém ainda maior, mais poderoso, leal e, sobretudo, quero tornar-me em alguém feliz. Não vou permitir que o passado me continue a afrontar da mesma maneira. Desta vez, eu vou vence-lo!

Fechei a carta para todo o sempre (...)



Os deuses os dados podem lançar (...)

Fazes-me Falta


Eu deito-me e um turbilhão de ideias se abate sobre mim. Perco a noção do correcto, perco por completo a noção das coisas. As minhas indecisões ainda se acentuam mais e a minha cabeça torna-se numa confusão inexplicável. Eu não sei o que fazer, estou perdido e inconsciente (...) Deixo o meu pensamento voar e entrego-me à leveza nocturna que aos poucos e poucos me invade e se apodera de mim. Liberto-me dos maus pensamentos e relaxo. Preparo-me para um novo dia, que dentro de poucas horas nascerá e que, sem ti, será extremamente difícil de passar, como todos os outros.

Fazes-me tanta falta*